Skip navigation

A Ética Animal

 

Ao elaborar o título desse texto, estava especificando o sujeito impactado pelo meio ambiente: as novas gerações. Acabei percebendo que a preservação da Terra influencia no desenvolvimento afetivo de qualquer pessoa, indistintamente.

Basicamente, o meio ambiente é vida e externa, em cada um de seus movimentos, a espontaneidade, a ingenuidade e a simplicidade de ser, de ser somente por aquilo que se é sem máscaras ou artimanhas. Princípios aos qual a humanidade pertencia, mas, que deixou de participar a muito tempo. Pior, tornamo-nos oponentes à nossa própria essência. Combatemos essa vida como se nos deparássemos a toda hora com inimigos ferozes e capazes de alcançarem os piores requintes de crueldade com o homem.

Esse monstro é figura ativa apenas na cabeça dessa raça que se apossou do controle sobre a vida, os ditos inteligentes, porém, insanos, seres humanos. Depredamos as florestas, assassinamos a maioria das espécies animais e restringimos a um número mínimo as que ainda existem. Aniquilamos flores, contaminamos os rios e invadimos mares e oceanos com venenos jogados, indiscriminadamente, em todos os cantos. Gases nocivos temperam o ar que respiramos, o sol nos queima mais, as temperaturas oscilam, desatinadamente. Olhando nossa morada, percebe-se uma clara conotação com um campo de batalhas dilacerado pela irracionalidade emocional de vidas que se perdem pelo próprio egoísmo.

Mobiliar-se contra essa cultura, é construir uma base sólida para a preservação irrestrita da vida. É resgatar a empatia, lembrando-se do real direito de viver. É reencontrar  a pureza que nos desfizemos em algum momento anterior. É voltarmos a um estágio anterior, despindo-nos da arrogância e do orgulho, e vivermos a igualdade. É apenas sermos tudo aquilo que tanto admiramos e até nos emocionamos, convivendo com os animais. É retornarmos ao que é elementar, simples, reavendo o grande valor que justifica estarmos vivos. É sermos verdadeiros, nada mais.

Hoje, temos que ir além dessa contemplação. Muito mais do que define as prerrogativas da preservação. Nosso meio ambiente precisa, urgentemente, ser reconstruído. Para isso, cabe à humanidade, reformular-se, ultrapassando qualquer necessidade de transformação e chegar ao âmago da transmutação individual, transcendendo à cultura e o próprio senso comum: um processo de reforma íntima e pessoal que nos leva à consciência sobre a plenitude da vida.

Novos valores. Princípios reciclados e, acima disso tudo, a oportunidade que promoverá o encontro do ser consigo mesmo. Com certeza passamos a sentir que é muito mais do que ser ou estar e com isso ampliamos a atual fria afetividade.

Cabe a cada um de nós assumirmos a responsabilidade sobre esse processo … vital.

b

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: