Skip navigation

Acompanhando, diariamente, os noticiários, chama-me à atenção, a série contínua de atrocidades provocadas pelas pessoas nas diferentes nações. Nos EUA, repetidas ações agressivas, com intenção genocida, provocada por jovens nas escolas. No leste europeu, atentados à vida humana através de levantes e oposições políticas. Na Síria atitudes descabidas, sem sentido e absolutamente inapropriadas para um mundo que se diz civilizado e dominante da tecnologia e do saber. Ao povo oriental, cabe a frieza das coreias e as posturas de imposição materialista da China frente ao próprio povo e aos demais países.

 

A situação na América do Sul não difere: a Venezuela escravizando a população, assassinatos e prisões sem sentido. O Chile lutando por recursos na educação e, mesmo para os que se negam a confrontar, o Brasil, imerso na lama das falácias e da hipocrisia ilusória de um país soberano e em ascensão, dominados pela corrupção e o descaso de um povo que se desenvolve ignorante ou morre precocemente pela negligência de seus governantes que os têm em último lugar na hierarquia de prioridades.

 

O enredo da cidadania mundial é marcado pelo desconforto, passando ao estágio da dor e do sofrimento e alcançando, em parte significativa, o descaso e o desrespeito à figura humana. Há um fato a ser agregado nessa análise: considerando que ainda milhares de pessoas morrem por desnutrição, essa desigualdade transforma-se no ícone máximo do descaso à vida e do não reconhecimento da caridade e da fraternidade entre pessoas que se assemelham.

 

Esse paradigma cultural, perpetuado por infinitas gerações que se sucedem, constrói um efeito cascata na formação e no desenvolvimento dos indivíduos e dos povos. Enraíza-se um padrão de menos valia e uma reatividade de supremacia dos mais fortes para com os menos privilegiados. Ou seja, dissemina-se nas famílias e em vários outros segmentos sociais, a postura da imposição, da competitividade e da arcaica filosofia do olho por olho, dente por dente, do comportamento que justifica comportamento.

 

Coisas e contextos sobressaíssem às pessoas. Prazeres imediatos substituem as satisfações plenas e as construções sociais tornam-se choupanas de palhas ao invés de sólidas edificações de alvenaria. O desdém dos governos reflete-se no descaso de muitos pais. A corrupção se traduz no jeitinho forçado para se conseguir as coisas. A indiferença com as precisões são verificadas nas ações egoístas dos indivíduos. E assim toda uma política de individualidades, soberanamente, domina e omite o princípio das confraternizações.

 

Paradoxalmente, essa mesma coletividade, em dado momento, normalmente quando assolado pelo próprio compadecimento ou algum tipo de ameaça, ajoelha-se e ora. Evoca filosofias transcendentais e coloca-se, disfarçadamente, à disposição dos pressupostos que as regem. Teorizam amedontradamente em demasia, mas na prática realizam muito pouco. E acabam justificando parte de suas insanidades em nome de um ser superior.

 

Afinal, qual a dificuldade de obter-se consciência de que há algo de muito errado nas escolhas feitas? De reconhecer que nos encontram em rota de colisão com as próprias consequências das nossas atitudes e formas de manifestação das nossas emoções? Temos um péssimo investimento para a contabilidade da vida, pessoal e socialmente falando e teremos por isso um preço a pagar.

 

Urge provocarmos uma mudança essencial, de valores, princípios e de uma construção efetiva de filosofia pra a vida. Substituir preços por solidez das ações, achismos e alternâncias de objetivos, por coerência e saúde mental e física e transformarmos tantas informações em um conhecimento efetivo.

Imagem

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: