Skip navigation

A predominância cultural vigente está enraizada na conquista. Repetidamente, percebemo-nos em uma ilusória necessidade de aperfeiçoarmos os produtos tecnológicos. Trocamos os celulares, os aparelhos de televisão, computadores, eletros em geral dentro de casa. O carro que é novo faz-se velho pela ansiedade de outro mais novo ainda que passe a circular em frente aos nossos olhos, o pelo fato de estar estacionado na garagem de um vizinho. Mesmo aumentado e, isso ocorrendo, repetidamente, o salário pode ser maior e os benefícios ofertados com requintes de maior qualidade.

 

Há uma dominância absoluta de uma eterna insatisfação. A impressão que se desenha é que o conquistado saboreia-se tão somente no momento exato de sua conquista e, numa fração de segundos, esvai-se, sendo tomado por um novo rompante para aquisições daquilo que não nos pertence. Mais surpreendente ainda, está o fato de desvalorizarmos as vitórias obtidas para a ampliação do conforto e de uma melhor qualidade de vida, em troca de uma angústia incalculável para a obtenção do que não se tem do novo desejo.

 

Esse fenômeno aplicado sobre a conquista não se restringe, exclusivamente, ao componente material. Ao ser humano, nas últimas décadas, aplica-se o descarte, princípio igualitário ao usado com bens de consumo, às pessoas que participam de suas vidas. As relações se tornam fragilizadas e as pessoas, personagens que as compõem, descartáveis.

 

Por vezes, a amizade se mantém enquanto isso for útil e proveitoso. A unidade familiar é sustentada pela retroalimentação convenente de seus participantes. As relações amorosas, as juras de amor e os discursos calorosos das almas gêmeas apaixonadas ou fraternas, perpetuam-se sem a integralidade da eternidade, mas, sim, pelo escambo, ou seja, a troca que compensa a dificuldade ou substitui por algo supostamente melhor ou mais interessante. Até filhos são rifados com a finalidade de serem colocados à disposição de alguém ou de uma instituição qualquer que assuma a responsabilidade sobre seus desenvolvimentos.

 

Essa é a dinâmica que dita sobre as perdas através das conquistas. Não estabelecemos a devida solides pela valorização, inicialmente, sobre nós mesmo e a nossa capacidade em superar dificuldades e assim alcançar o êxito para com as nossas limitações, tanto financeiras, profissionais, afetivas e relacionais. Desvalorizamos o sentido das coisas pelo fato de as direcionarmos e lançarmos sua essência a uma vala comum, um algo sem sentido. E, finalmente, destituímos seres humanos de seu real eixo de razão e de motivo para a caminhada frente a nossa responsabilidade social e evolução saudável para esse sistema em que nos inserimos. Logo, angariar torna-se um paradoxo, pois nos afastamos de uma razão e de um concretismo e aproximamo-nos cada vez mais do vazio existencial.

 

Assim, perder pode ser o grande veículo para a riqueza humana, claro que num significado opostamente disseminado pela cultura imediatista e intolerante que se prega para os dias que se seguem nesse terceiro milênio

 

Imagem

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: