Skip navigation

Desejamos, e com que intensidade. A força do que almejamos alcança patamares tão intensos que aquilo que se iniciou como um mero desejo passa à ordem da ambição. Essa voracidade nos faz caminhar, correr, saltitar, sempre, internamente, focados a chegar ao destino traçado, porém, nem sempre alcançado. Nem sempre sabemos para onde vamos, desconhecemos os melhores roteiros, aqueles mais curtos e de estradas mais confortáveis. Muitos acabam desistindo no meio do caminho, outros, apegam-se, por comodidade a supostos atalhos, imediatistas, ilusórios. Em verdade, caso fosse simples e fácil, falaríamos apenas de comunidades e de pessoas satisfeitas, inclusive, insatisfeitas por certo tédio originado de uma facilidade, inexistente. É preciso se lapidar, purificar o pensamento, implementar a inteligência e aferir o afeto para tamanho desafio.

Justifique a razão, ou seja, resolva a equação que te levará a um resultado eficaz. Por que e para que servirá tal empreendimento a minha vida. Não adianta sai dando tiro no escuro, mito menos disparar a metralhadora motivacional crendo que em determinado momento obterá uma presa. Para de gastar energia e adotar atitudes, vamos dizer assim, um tanto quanto irracionais. Não se aposta com a vida, saboreia-se.

Responda se é possível. Quem não gostaria e ocupar determinados espaços e viver posições dentro da hierarquia social? Nem tudo que se quer se consegue e sem essa de jogar hipocrisia ao vento e nos fazer ilimitados. Isso é apenas uma crença sem sentido e sem saúde. Se o eu desejo é inviável, retorne ao item anterior, pois você está, momentaneamente, insano. Para ser possível precisa se ajustar a um intervalo de tempo palpável e verifique sua real possibilidade de execução. De nada servem metas a serem concretizadas somente em vidas posteriores e ainda se defendendo com as prerrogativas da eternidade. Vejam  andar em círculos estabelecidos por Highlander: quis amar o tempo todo e passava a maior parte da sobrevida dele esperando e matando gente. Absoluta incoerência.

Organize e planeje. Sem a necessidade de passar por um MBA para realizar isso tá! Estamos falando em adotar um comportamento para realizar. Traduzindo, transformar ideias m realidade. Parte-se do princípio de que se não for assim, é sonho e quimeras da ordem da fantasia. Defina o que precisa ser feito, pressupondo as devidas razões e penando em como chegar nisso, quais os veículos necessários. Não use uma Ferrari, pois a coisa se distancia e acaba virando delírio. Seja concreto, eficaz. Delimite um intervalo de tempo e visualize-se ocupando um espaço para essa conquista. Mais uma vez, que não seja através do infinito e necessariamente nem tudo precisa ser nos boulevards franceses. Enjoa além de nem sempre se conseguir e ficar mergulhado na frustração.

Saboreie as vitórias. Mania indigesta essa das pessoas de ficarem se clamando por aquilo que não atingiram, ao invés de comemorarem cada uma de suas vitórias. Existe a necessita de um aprendizado importantíssimo para essa etapa: o prazer verdadeiro não é encontrado no final do arco íris, onde supostamente haverá um pote de ouro. A alegria está marcada, sim, em cada um dos passos que levam a pessoa ao seu destino. Aprendam que depois de se chegar onde se deseja, imediatamente após uma nova insatisfação toma conta e outras coisas são desdobradas para a motivação pessoal. Somos eternos insatisfeitos, ou, necessitados de um contínuo aperfeiçoamento, por isso que não dá para parar. Atrofia, dá desconforto e depois dói. Querendo ou não o impulso para continuar vem, nem que seja através de um chute no traseiro, mas, vamos seguir em frente de qualquer maneira. Por isso é melhor ir para locais apropriados, saudáveis e compatíveis com a escalada traçada então ficar andando a esmo por ai.

Pessoas precisam de você, sempre. Isso é Lei. Logo, se tiver que fazer, faça bem feito. Caso ainda não tenha chegado onde pretende, não desdenhe e não se faça de miserável, acreditando que o mundo conspira contra você. Tudo tem um tempo, mesmo que você o faça. Você é insubstituível sim, pelo menos até o instante em que estiver ocupando o lugar de outro. As demais pessoas tem necessidades e precisões e a sua postura as atenderá. Faça isso com esmero e tenha o bom senso como seu principal aliado, afinal, o mundo dá voltas e por mais equivocada que seja a cultura do olho por olho é o que predomina. Não esqueça que tem a parte do dente por dente: a mordida pode ser grande, dolorida e ainda arrancar pedaço.

A responsabilidade social dá a qualidade de vida, devida. Não estamos nesse mundo de alegrinhos. Tem muita coisa para ser feita e diferenças desumanas estabelecidas entre os humanos. Não atuamos e vivemos papéis, meramente. Cada um tem a sua responsabilidade social e isso não se discuti, é factual. Posso com certeza negligenciar e querer ser revoltadinho, até mesmo porque está na moda. Como posso querer fazer parte da minoria esmagadora de representantes sociais que apenas enxergam o próprio umbigo. Nessa condição, mesmo assim, não deixo de ter que exercer. A irresponsabilidade social, mesmo que doentia, não deixa de ser uma obrigação, afinal precisa ser mantida por seus seguidores.

Enfim, empreender, seja na vida pessoal, na social, na beneficente, profissional, amorosa, familiar ou qualquer outro sistema de vida, é muito mais fácil do que se imagina. Basta boa vontade e dois neurônios de boa convivência para darem ao cidadão a capacidade de escolha. As opções são relativamente universais e divididas em duas categorias. A das alternativas saudáveis e de promoção do bem estar social, aquelas que dão felicidade, ou, as não saudáveis e do que se lixem aquelas que entoam os versos do “tô nem ai, tô nem ai”. Por mais absurdo que possa parecer, é o que predomina no mercado. Contudo, olhando para o lado positivo, responde uma das incógnitas perpetuadas pelas gerações sobre o sentido da vida. Não é que a vida não tenha sentido e nem que não tenha sido descoberta suas razões. O no sense é de produção individual e exportado para o meio, através das projeções que defendem os egos desnutridos.

O fato é que a realidade pessoal precisa passar por transformações emergenciais e essenciais. Só assim muitas doenças emocionais serão minimizadas e até mesmo as físicas. Exclusivamente, por esse viés, será resgatado o equilíbrio e a harmonia de cada ser apartada do homem pelo próprio homem. O reflexo será coletivo, social. Não mas será preciso competir, afrontar e lutar contra  semelhante como se estivesse brigando em frente ao próprio espelho. A diversidade acontecerá tão somente pela falta e nunca mais pela comparação. A sim passaremos a ter conquistas reveladoras … mostrando o que de fato é ser humano.

Imagem

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: