Skip navigation

Reportando-me aos conceitos da Física, defino a vibração como sendo um movimento da matéria que oscila em torno de um ponto de referência. Essa delimitação pode ser definida como o espaço dinamizado e ocupado por uma estrutura viva. Há uma amplitude para essa agitação, provocando um deslocamento do corpo. Como o processo de mudança é contínuo e não ocorre o repouso permanente, a repetição do afluxo, sua somatória, permite um completude que desencadeia uma frequência.

A frequência, mecanicamente falando, é uma grandeza ondulatória, provocada em um determinado intervalo de tempo. A alternância ondulatória estende a ação do movimento, aumentando o espaço percorrido. Uma constância que age em um período, uma fase ou uma situação.  Os fenômenos mais conhecidos pela ciência no que se refere aos período são a luz e o som, especificando seu comprimento de onda.

É relevante destacar que, quando se referencia à matéria, não podemos abdicar em reconhecer a formação bruta e sutil da mesma. Estruturas sólidas e complexas, assim como minúsculas partículas, isoladas e que compõem as maiores, em constante conduta de agitação para algum tipo de deslocamento. Agregando a esses pressuposto outros componentes, tentarei correlacionar a emoção e o afeto ao comportamento do ser humano.

A física quântica contribui, significativamente, para a compreensão dos corpos. Aprofunda o fato de que a matéria é igual à energia, logo, energia é o mesmo que matéria. A formação do pensamento, associando a recepção de novos estímulos com todo o conjunto de impressões armazenadas, é acionado através de uma produção simbólica. Os símbolos são montados a partir dos referenciais internalizados pela educação e a cultura recebidas ao longo do desenvolvimento e, também, pelos bolsões estabelecidos nas vivências encarnatórias anteriores, representações emblemadas pelas necessidades do agregado espiritual em ampla engenharia voltada ao aperfeiçoamento.

A expressão personificada dessas alegorias não é isolada, como um desenho inanimado. O indivíduo o projeta ornando-o de uma quantidade exacerbada de sentimentos qualitativamente apurados pela percepção que se tem das coisas. Analogamente, poderia aproximar o pensamento elaborado da matéria grotesca e o afeto da sutil. Há vida, imensurável, nessa relação estabelecida. O “Penso, logo existo” é inquestionável. Somos conduzidos pelo pensamento que esclarece e estabelece caminhos e padrões a serem seguidos ou elaborados.

A concretização dos conceitos, manipulada pelo o que é sentido, produz um componente vibratório, compatível com o padrão, individualizado, de cada conteúdo. Por essa razão, flutuamos, num mesmo dia, em diferentes padrões vibratórios. Em torno do próprio eu, então, age uma energia, matéria vibratória, que constitui o enredo e o padrão que mobiliza a vida de cada pessoa. Na medida em que vamos aproximando outras pessoas ou situações àquilo que racionalizamos, as projeções, em forma de ondas, vão se aproximando dos demais. Formulamos uma amplitude para essa carga energética vibracional e a estendemos aos que nos cercam, ou, aos que se afinizam e simpatizam com a qualidade identificada.

A adição desses mecanismos leva a formação de uma gigantesca onda, onde partes alternada desse mar se encontram e estabelecem uma onda e um respectivo comprimento, ou raio de atuação e de envolvimento e de comprometimento de seus participantes. Em resumo, as emoções são carregadas de energia pura, envolvendo seus produtores e aqueles que são visados no foco do que se pensa e junto carrega-se dessa vibração. É como o jogar de pétalas de rosas ao vento: o aroma, as cores e o objeto em si alcançam uma dimensão promovida pela força da brisa.

Dentro dessa lógica, explicam-se as razões pelas quais as pessoas ficam submersa em perfis afetivos continuamente, alternando insignificativamente os padrões e da mesma forma, as motivações que induzem outros a, tão repentinamente, alterarem seus humores quando em contato ou, então, obsediados por aqueles que tanto pensam na direção desses. A carga negativa é nociva e quando mantida num fluxo repetitivo pode levar a desequilíbrios físicos e emocionais, além de comprometer o enredo que movimenta a vida num todo. Ampliando essa prospecção, vale lembrar que as conexões não acontecem apenas com a alma bruta, ou seja, encarnada. Esse processo também é peculiar à alma sutil, ou desencarnada. A obsessão, frequência continua, acontece primeiramente com o próprio agente do pensamento, auto-obsessão e equitativamente, com outros encarnados e espíritos fora da matéria. Um ciclo eminentemente cósmico e universal que verifica a infinitude das relações e a propagação infindável da vida, deslocada em tempo e espaços diferenciados.Imagem

One Comment

  1. Belo texto! É por este lado que se eleva a mentalidade do homem/mulher, sem falsos profetas e gananciosos religiosos, que geram maus homens e péssimos políticos.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: