Skip navigation

“Um homem também chora
Menina morena
Também deseja colo
Palavras amenas…

Precisa de carinho
Precisa de ternura
Precisa de um abraço
Da própria candura…

Guerreiros são pessoas
Tão fortes, tão frágeis
Guerreiros são meninos
No fundo do peito…”

Gonzaguinha  –  http://letras.mus.br/gonzaguinha/250255/

                Sou um profundo admirador dos versos de Gonzaguinha, até mesmo, porque refletem a alma de um ser mal interpretado dentro do contexto social e, principalmente, por suas respostas no contexto afetivo. Recentemente publiquei um artigo falando da mulher e de sua relação com o prazer sexual. Nada mais justo do que, agora, observar a postura masculina frente às suas emoções e a maneira de se conduzir diante dos relacionamentos. Não se pode afirmar que o homem é, ou foi, um ser desprovido de educação e de estímulo no que diz respeito ao afeto e sua posição para os relacionamentos íntimos. Em verdade, o que se processou e, até os dias de hoje é vigente, foi uma má formação e a atribuição de um lugar indevido. Antropologicamente, acabou exercendo a função de protetor e de provedor e por isso passou a ser percebido como o sujeito forte, capaz de quase tudo e, em virtude dos elementos históricos,mandatário daquilo que se chama vida. Precisou ser rude, frio e seguir um princípio lógico, até mecanicista, para sobreviver e manter a vida daqueles que protegia. A história mostra uma centralização de poder e de tomada de decisões, monopolizadas pelas mãos masculinas e, em contrapartida, uma subserviência da mulher. A secularidade dessa educação, propagou-se e um modelo padronizado se estabeleceu, fazendo com que o homem adota-se uma resposta condicionada diante de tamanha responsabilidade e, consequentemente, falta de estímulo para uma integração maior com a sensibilidade.

Existem duas disfunções relacionadas à resposta sexual masculina, das quais, uma será o foco de análise para essa realidade. A Ejaculação Precoce é caracterizada pela falta de controle para o reflexo ejaculatório, opondo-se ao tempo para a satisfação do prazer da parceira. Essa resposta faz com que o ato sexual seja, supostamente, interrompido, já que, como consequência, o homem perde sua ereção e a penetração em si é interrompida. É claro que existem outras formas para se conduzir o ato sexual e essas são tão satisfatórias, ou, até mais do que o coito, porém, essa maneira é encerrada por um intervalo de tempo. Não existem causas orgânicas para a ejaculação precoce. Sua etiologia está atrelada exclusivamente ao contexto emocional, especificamente, ao alto nível de ansiedade do sujeito, ou, frente à sexualidade em si, ou, generalizada, tendo o sexo como mais um dos componentes para a manifestação desse nível de ansiedade elevado. Também é na antropologia que se constroem os primeiros entendimentos sobre essa disfunção. Considerando que a finalidade única no período primitivo era a reprodução, o homem que caçava e mantinha-se na guarda dos grupos, em virtude de sua estrutura anatomofisiológica, procurava à fêmea quando estava encontrava-se no cio, ou, pronta para ser fecundada, copulando e rapidamente voltando-se às suas responsabilidades

Historicamente, tendo sido a mulher um personagem de menos valia para a cultura, a preocupação com sua satisfação e seu prazer eram mínimas, para não se dizer, nulas. Logo, a atividade sexual tinha como foco principal a busca do masculino para uma saciação de suas necessidades. Considerando que o olhar para as necessidades sexuais da mulher foram acontecer no final da década de 70, no século passado, esse cenário perdurou por muito tempo. Ao homem coube a poligamia como uma maneira natural de se por e de vivenciar sua afetividade e sexualidade e a posição máscula, vamos assim definir, é perpetuada até hoje dentro da educação moderna. Dentro de uma estatística predominante, ainda cabe à menina fazer e comprometer-se com as tarefas domésticas, como se essa fosse sua obrigação. A adolescência ainda é pautada por uma permissão à conduta dos garotos e uma repressão ao das meninas, inclusive, onde o vangloriar-se das conquistas e das atitudes desses jovens é discursada pelos familiares, ou, no caso das garotas, condenado e sufocado como se estivessem cometendo um pecado ou um crime.

DSM-IV-TR (Associação de Psiquiatria Americana)

A. Ejaculação persistente ou recorrente com uma mínima estimulação sexual anterior, na hora ou logo depois da penetração, ou antes que a pessoa deseje ejacular. O médico deve levar em conta fatores que afetam a duração da fase de excitação, como a idade, o afeto da parceira ou situação, e frequência de atividade sexual recente.

B. Os incômodos pela ejaculação precoce causa estresse ou dificuldades interpessoais.

C. A ejaculação precoce não é exclusivamente devido a efeitos diretos de uma substância (por exemplo opióides)

 

DSM –IV-TR

                O excesso de funções e de responsabilidades torna o homem ansioso e, hoje, com a modificação da busca feminina por uma sexualidade com mais qualidade, ainda, intensamente mais. O que se nota, é a ausência de um preparo adequado para o homem no sentido de se permitir viver sua afetividade na íntegra, manifestando seus sentimentos, vontades e fraquezas, assim como o vivenciar do seu novo papel dentro da inserção social com a modificação da mulher diante da vida. Não há menor dúvida de que a Ejaculação Precoce é uma disfunção, inserindo-se nas árvores diagnósticas psicopatológicas, onde o aprendizado em relação ao próprio corpo e a postura frente à relação e ao ato sexual, contribuem sobremaneira para a minimização do quadro até seu reestabelecimento. Contudo, faz-se necessário pontuar um comportamento diferenciado, persistente dentro de um grupo de homens na sociedade moderna. Ter o diagnóstico de Ejaculação Precoce é diferente de ejacular precocemente. Refiro-me a uma população que não se preocupa com suas parceiras e nem direcionam a atenção para a composição a dois que tem o ato sexual. Condutas, sem dúvida, consequentes desse aprendizado histórico e cultural, porém, prejudicial ao envolvimento e ao comprometimento que dão qualidade à vida a dois.

Constata-se, igualmente, um número de homens que tem consciência de sua disfunção, assim como das implicações, em termos de prejuízo para suas parceiras e a relação, mas, negam-se a buscarem auxílio e tratamento para a correção da ejaculação Precoce. Uma resistência, ou, até mesmo negação, de um fato que venha a ferir a masculinidade e a virilidade, tão simbólicas e ainda disseminadas dentro da realidade social. A somatória dessas duas populações é o que predomina dentro dos discursos e das queixas oriundas das mulheres, tanto na mídia como nas consultas com profissionais especializados na área.  Reitero o reflexo que o processo educacional e a disseminação a cerca da posição, do papel e da responsabilidade do homem potencializam essas questões.

Apesar disso, o homem é, exatamente aquilo que Gonzaguinha descreve em seus versos: uma multiplicidade de potencialidades, guerreiro e menino, simultaneamente. O resgate dessa potencialidade é de suma importância para a qualidade de vida desse homem, assim como para a das parceiras que elege. O âmbito saudável para a vida sexual é um princípio de harmonia e de equilíbrio para o próprio gerenciamento da rotina, para a motivação e o cumprimento das tarefas que nos pertencem. Creio que não se deve fugir daquilo que nos pertence, que se apropria na nossa natureza e nos define como almas. Imagem

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: